quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Falke Bier é escolhida "Cervejaria do Ano na América Latina" pelo blog canadense "World of Beer"

Post Olhando para trás # 6: cervejaria latino-americana do ano
(Esta é o quarto de vários posts, detalhando o que eu achei serem as melhores cervejarias do ano de 2011 em várias regiões. Observe que não há uma ciência que explique as escolhas que fiz, apenas meu próprio raciocínio altamente subjetivo como detalhado em cada post. Você pode encontrar minha escolha da cervejaria do ano em Ontário aqui, cervejaria do ano no Canadá aqui e dos Estados Unidos aqui .)
No ano passado eu tive o privilégio de me familiarizar com muitas fábricas de cerveja do Brasil, Argentina, Chile e em outros lugares na América Latina, o que fez decidir sobre esta honraria uma tarefa dificílima. Sem dúvida, existem vários candidato merecedores produzindo ótimas cervejas em condições de mercado difíceis, como a Cervejaria Colorado, Cervejaria Bamberg e Bodebrown Cervejaria e Escola no Brasil; Cerveza Jerome, Cerveza Zeppelin e Cerveza Artesanal Antares na Argentina; Cervejaria Kross, Szot Microbrewery e cervejas Tübinger no Chile; Costa Rica Brewing Company, bem, na Costa Rica e na cervejaria Minerva e cervejaria Primus no México. Mas como revisei minhas notas e impressões, destacou-se uma cervejaria.
Minha escolha para cervejaria latino-americana do ano de 2011 é a Falke Bier.
As cervejas do cervejeiro e proprietário Marco Falcone chamaram minha atenção no momento que eu provei pela primeira vez sua Estrada Real IPA, que imaginei mais semelhante a uma ESB, mas ainda assim gostei tremendamente. Então eu tive a chance de almoçar com Falcone e provei outras de suas cervejas, incluindo a Ouro Preto, uma schwarzbier para a qual ele torra os grãos-se em uma torrefadora de café, a elegante Falke Bier Pilsen e a tentativa de Falcone de fazer uma tripel, de nome Monasterium, que é um deleite frutado e com especiarias que, na minha opinião, está aquém do estilo proposto, mas continua a ser uma bebida muito atraente.
No entanto, o que me convenceu finalmente, foi degustar sua Vivre pour Vivre em Buenos Aires alguns meses mais tarde. Levemente ácida e refrescante, esta ale passa por longo envelhecimento, exposição à cultura de lactobacillus e uma fermentação final com frutas nativas do Brasil chamadas jabuticabas, resultando em uma cerveja de um apetitoso frutado de especiarias e grande personalidade. Eu li que ela era o produto original de um uma cerveja que deu errado, que eu ainda tenho que confirmar com Falcone, mas mesmo que fosse, sua correção foi maravilhosa, e a razão suficiente para colocar a Falke no topo como minha cervejaria do ano para a América Latina...

Nenhum comentário:

Postar um comentário