terça-feira, 31 de março de 2009

No domingo, dia 29 de março, recebemos o casal Thomas e Emiliana Karpen, acompanhados do amigo Alécio. Thomas, alé de excelente homebrewer, é engenheiro de automação. Desenvolveu um sistema automatizado para cervejaria caseira, já mostrado no post anterior, quando visitamos a casa de Torsten Pfeifer.


Alécio, Thomas, Emiliana e Amaury
Alécio, Thomas, Emiliana e Marco


Sábado, dia 28 de março recebemos Marco Thoenes e Alexei, do projeto Bier Bike. Vieram de São Paulo e além de conhecerem as instalações da Falke Bier, puderam degustar "ao pé da máquina".

Alexei, Marco e Ronaldo

Marco Thoenes, Alexei e Marco Falcone

sexta-feira, 27 de março de 2009

Visita UEMG

No dia 24 de março recebemos os universitários do curso de Desenho Industrial - Design Gráfico da Universidade do Estado de Minas Gerais - Escola de Design. Além do Pablo, excelente cervejeiro homebrewer, vieram também o Felipe e a Elenice, que conheceram todo o processo de produção da Falke, além do completo roteiro de degustação.

Felipe, Elenice, Marco e Pablo



segunda-feira, 23 de março de 2009

Por Um Brasil Cervejeiro Melhor

Carta aberta feita por este blogueiro - Por um Brasil Cervejeiro Melhor (título criado pelos amigos blogueiros do Biergarten - Corrigindo, foi pelo Pedro Braga do Blog Thinkt Mehr)

Amigos,

Venho falar a todos vocês sobre um tema de alta relevância. Peço que leiam com atenção pois isto é a sobrevivência ou a morte da cultura cervejeira no Brasil.

Depois de décadas de impedimento, de obscuridade e de privação com relação à livre escolha com relação às cervejas especiais (chamo estas décadas de "os anos de chumbo da cerveja"), como todos vocês já sabem, surgiu no Brasil, como na Europa e América do Norte há poucos anos esta magnífica e exuberante revolução das cervejas artesanais. Não perderei tempo com este histórico pois já é de conhecimento de todos.

Particularmente, nós da Falke Bier entramos de cabeça, largamos tudo, nos dedicamos ao máximo não só em prol de nossa cervejaria, mas também em prol da cultura cervejeira no Brasil. Fizemos em Minas um movimento pesado, organizamos o setor de cervejas no Sindbebidas e ajudamos a criar no SEBRAE uma pasta específica para o setor das micro cervejarias englobando também as cervejas caseiras. Abrimos nossa cervejaria à todos que quizessem conhecer, acompanhar o processo. Arrebatamos dezenas e dezenas de novos aficcionados.

Em termos nacionais, incentivamos a formação de várias Acervas, apoiamos e patrocinamos todos os Concursos Nacionais, desde o primeiro no Rio de Janeiro, em 2006, quando enviamos um barril de Red Baron. Temos contribuido de forma aberta com vários foruns, inclusive no Orkut.

Incentivamos e trouxemos de volta para o movimento figuras como o Mestre Paulo Schiaveto, que hoje é grande referência não só no Brasil, como no mundo. Isto, para não citar outras ações, como cursos, palestras, harmonizações dirigidas, que devem estar na memória da maioria de vocês.

Ousamos formulando receitas especiais, lançamos o primeiro chopp comercial com o malte torrado na própria fábrica. Formulamos a primeira cerveja Tripel comercial fabricada no país. Partimos para outros estilos, investimos pesado em uma IPA também objetivando dar acesso a todos a esta diversidade de estilo, isto tudo, apesar dos abusivos impostos que éramos obrigados a arcar, com se fôssemos grandes cervejarias, ficando claro a injustiça com relação ao poder contributivo, para empresas de tão pequeno porte.

Isto também ocorreu com as demais micro cervejarias do Brasil, cientes da necessidade da expansão da cultura cervejeira no país. Quem não sabe das investidas fantásticas da Colorado, ousando incrivelmente, da Bamberg com sua diversificada carta, da Backer, da Krug (Austria), da Wäls com fantásticas cervejas, da Dado, Schmitt, da Abadessa, a Coruja, nem vou me extender para não cometer a injustiça do esquecimento, mesmo sabendo que já estou incorrendo nesta falha.

Também obtiveram crescimento outros atores da cadeia produtiva, como os fornecedores de matéria prima, de equipamentos, consultores como a fantástica Cilene Saorim entre outros (olha eu novamente cometendo injustiça por ouvidar nomes), publicações diversas, bares e restaurantes especializados em gastronomia, sobretudo os de cervejas especiais, delikatessens, supermercados gourmet, fornecedores de acessórios, etc.

Fantástico o momento, não? Não. O Governo federal resolveu acabar com isto tudo. Promulgou, a partir de 1o. de janeiro deste ano uma lei, injusta e confiscadora que promoverá a curto prazo a inviabilidade de nossa atividade no Brasil. Mata os fabricantes existentes e aborta os fetos que são os homebrewers. Sobrarão alguns poucos na informalidade.

Na verdade, atendendo a interesse de que nem sei de quem, foi criada uma pauta para os tributos federais (PIS, COFINS e IPI - Leis 11.727 e 11.827) que oneraram inacreditavelmente todos os micro cervejeiros no país. Isto em um momento de crise, em que inclusive, alguns setores da economia tem sido contemplados com isenção de IPI.

Para tentar reverter esta situação, reunimos algumas micro cervejarias, no mês de dezembro passado (2008), em São Paulo, mas ainda nos encontrávamos nocauteados, não obtivemos um norte naquela reunião.

Progredindo na tentativa de reação, cada micro cervejaria passou a pesquisar, consultar suas bases jurídicas e tributárias e debater via e-mail uma solução. Com a recente consolidação da ASCASC - Associação das Cervejarias Artesanais de Santa Catarina, dotada de uma excelente organização e com um significativo número de integrantes, e ainda, da proximidade com o Rio Grande do Sul, outro estado que envolve um grande número de micros (25, segundo o Gustavo da Schmitt), além da proximidade do Sudeste, realizamos ontem, dia 20 de março, uma reunião que pode ser o marco de uma reviravolta desta derrama que o governo está promovendo em nosso setor.

Com presença das Micro Cervejarias Schornstein (SC), Zenh Bier (SC), Saint Bier (SC), Euro Bier (RS), Cervejaria da Ilha (SC), Schmitt Bier (RS), Ralf Bier (RS), Wäls Bier (MG), Krug Bier (MG), Colorado (SP), Fake Bier (MG), Opa Bier (SC), Borck (SC), Bier Land (SC), Das Bier (SC), Sud Brau (RS), além dos Advogados Jorge Glitzer, presidente da Acerva Gaúcha e do José Cândido Borba, Advogado Tributarista, também distribuidor de cervejas especiais, residente em Florianópolis.

Nosso propósito é nos municiar de todos e quaisquer argumentos, de toda e qualquer prova da inviabilidade que nos impingiram, formulando, além de planilhas abertas para cada micro cervejaria, para cada Estado uma documentação comprobatória da situação.

Temos a favor - O que ocorrerá com o setor se obtiver tratamento tributário justo:

- Maior número de micro cervejarias, com a adesão de um grande número de empresas atraídas pela viabilidade do empreendimento;
- Maior número de empregos/litros de cerveja, e também relativo aos empregos indiretos;
- Valorização da mão-de-obra local com especialização;
- Diminuição da informalidade no setor;
- Incremento no setor gastronômico, com novas oportunidades para bares e restaurantes;
- Aumento de produção e consequentemente vendas, nas empresas já estabelecidas;
- Ampliação da oferta de estilos, consolidando o país como uma nova escola cervejeira;
- Maior oferta aos amantes, apreciadores e degustadores, que passarão a consumir o produto nacional em detrimento das importadas;
- Possibilidades de exportação, ampliando as fronteiras do país;
- Beneficiamento signigicativo do turismo em todos os Estados contemplados;
- Resgate histórico e cultural de uma cultura milenar que está enraigada no brasileiro;
- Estímulo ao consumo responsável, já que cerveja artesanal se consome em menores volumes.
- Benefícios à saude, já que são bebidas ricas em complexos vitamínicos e não utilizam conservantes e produtos químicos lesivos;
- Embora o álcool em quantidades elevadas possa ser nocivo, no caso das cervejas artesanais o estímulo é pelo consumo reduzido;
- Aumento na arrecadação de impostos.

Contra - O que ocorrerá com a manutenção do novo regime tributário:

- Retração de novos empreendedores;
- Aumento da informalidade;
- Privação dos amantes,degustadores e apreciadores em geral das novas e excelentes cervejas, obrigando-os ao velho cartel;
- Retração em toda a escala produtiva, inibindo aumento nos empreendimentos;
- Estancamento desta nova atividade cultural, histórica e turística;
- Prejuízo para todos, inclusive para o poder público.

Consideramos ainda que a perda arrecadatória com o atendimento a nosso pleito é insignificante à Receita, somos apenas 0,18% da tributação nacional, e que os ganhos com a adesão de novos empreendedores superam significativamente.

Fundamentada a idéia, gostaria de solicitar a colaboração de todos da cadeia produtiva. Em breve estaremos lançandos acões, manifestos, abaixo-assinados, até participação em passeatas, tudo que possa mostrar a força de nosso movimento.

Na reunião do dia 20, formamos algumas comissões para transformar em números e planilhas o que foi aqui exposto. Estamos com nova reunião marcada, para consolidar isto tudo no dia 24 dia abril, em Florianópolis, na FIESC, mesmo lugar.

Solicitamos a todos sugestões, contribuições com análises ponderadas, vislumbramento de canais que viabilizem nosso pleito.

Vamos à luta, amantes da boa cerveja. Divulguem à todos de boa razão.

Um abraço, e "Pão e Cerveja!"

Marco FalconeMicro Cervejaria Falke Bier(31)8483.9046 Fax (31)3624.8439mhtml:%7B69953E81-4918-48F9-A1F4-A18C1ADAF084%7Dmid://00001223/!x-usc:mailto:marco@falcone.com.br e mhtml:%7B69953E81-4918-48F9-A1F4-A18C1ADAF084%7Dmid://00001223/!x-usc:mailto:marco@falkebier.com.br visite nosso site: www.falkebier.com.br

domingo, 22 de março de 2009

Acerva Catarinense

Na sexta à noite, dia 20/03 tivemos o prazer e a honra de participar de um encontro da Acerva Catarinente, tive o privilégio de assistir a assinatura de seu estatuto, pelo presidente Marco Zimmermann. Foi na Padoca, um lugar muito legal repleto de cervejas especiais. Degustamos uma série de cervejas, do pessoa da Acerva e da BSG, cujo "G" é o Jorge Gitzler, presidente da Acerva Gaúcha.

O presidente da Acerva Catarinense, Marco Zimmermann assinado o Estatuto

As cervejas, sem rótulos, melhores do que as marcas das taças

O lendário "Feijão", com Marco e Theo

sexta-feira, 20 de março de 2009

Questão Tributária - Micro Cervejarias

Hoje, dia 20/03/09 tivemos um dos momentos, que particularmente considero, de maior importância para o segmento das cervejas artesanais, especiais, gourmet, como queiram chamar, mas fabricadas por micro cervejarias e futuras micro, nesta verdadeira revolução que está ocorrendo no Brasil.
Um decreto do governo federal elevou substancialmente as alíquotas de impostos federais - que já eram altas, inviáveis. IPI, PIS e COFINS tiveram majoração absurda para cervejas que fogem do comum, a ponto de inviabilizar a atividade.

Articuladas no início de dezembro, e reunidas finalmente em um grande encontro, ciceroneado pela ACASC - Associação de Cervejarias Artesanais de Santa Catarina, no prédio da Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina), uma nova luz surge para tentar fazer justiça à um setor que mal surge e é ameaçado de ser exterminado.

Após a emissão da ata da reunião, novos comentários serão postados. Está lançada nossa sorte!

Pão e Cerveja!

Quinta, dia 19 de março voei para Florianópolis, com o objetivo de participar da reunião nacional das Micro Cervejarias, pretendendo formar um grupo que consiga justiça no sistema tributário do setor. Fui recepcionado por meu primo, Marcelo Falconi Cardoso. Após um ótimo almoço (frutos do mar), visitamos a Craft Beer, excelente delicatessen de cervejas especiais, criada pelo advogado tributarista e distribuidor de cervejas especiais, José Cândido Borba.


De lá convocamos o Marcelo Carneiro da Rocha, da Colorado, que já tinha chegado em Floripa. Ele juntou-se a nós e conversamos sobre diversas abordagens e estratégias a serem observadas na reunião do dia 20. Logo após fomos recepcionados pelo Marcelo Falconi e Patrícia, em seu belo apartamento, onde degustamos alguns copos de uma breja alemã.




O Comendador Falke Bier, Marcelo Falconi Cardoso

Um bom chopp, no Mercado Central de Florianópolis



A bela loja Sweet Home, onde fica a Craft Beer










Marcelo Rocha, José Cândido Borba, Marco Falcone e Marcelo Falconi

Marcelo Rocha, Patrícia e Marcelo Falconi

Marco Falcone e Marcelo Rocha

quinta-feira, 19 de março de 2009

Pfeifer Bier

Na quarta-feira, dia 18/03/09 tive o prazer de visitar a home brewery Pfeifer Bier, montada na casa do simpatissíssimo casal Soraya e Torsten Pfeifer, em sociedade com Thomas Karpen. Trata-se de uma pequena planta, extremamente bem estruturada, exemplo para qualquer home brewer, que apesar de produzir em pequena escala tem todo seu processo automatizado e estruturado nas melhores práticas da automação moderna.

Cristian, Torsten, Soraya, Antonio Morais e Marco

Cristian, Torsten, Tiago, Antonio e Marco


A "chopeira" desenvolvida por Torsten

É uma geladeira adaptada

2 variedades de lúpulo plantadas no quintal de Torsten

Fermentadores

Painel de controle dos processos

O interior do painel

O software de controle dos processos desenvolvido por Thomas Karpen


O moinho de malte


O interior do moinho

O resultado é uma ótima cerveja, um centro de desenvolvimento que auxiliará a prática do homebrew em BH, no Estado e no Brasil.

segunda-feira, 16 de março de 2009

St. Patrick's Day Belo Horizonte

Foi realizada neste Domingo, dia 15/03/09 a comemoração do St. Patrick's Day, padroeiro da Irlanda. Trata-se de uma festa mundial em comemoração a esse país, onde quem adere tinge tudo de verde, inclusive a cerveja.

Em BH o bar Frei Tuck Slow Beer, com apoio do BH Rugby, da Falke Bier e da Wäls Bier realizaram a festa.. Estima-se que mais de 500 pessoas estiveram no espaço, que teve a rua fechada, barracas montadas, área vip, chopp verde, música celta e irlandesa, realmente parecia que estávamos na Irlanda. Uma festa para ficar marcada como uma das maiores efemérides de cerveja comemoradas no Brasil, com Belo Horizonte, representada pelo Frei Tuck, na ponta da comemoração.